Investimentos isentos de IR: quais são estes ativos?


Investimentos isentos de IR podem ser atrativos — afinal, quem não gosta de garantir que seu rendimento seja o maior possível? Essa característica sozinha, no entanto, não faz de um ativo a oportunidade perfeita. 

Por exemplo, os rendimentos na caderneta de poupança são isentos de IR. No entanto, devido à sua baixa rentabilidade, existem inúmeras opções de ativos que, mesmo após descontado o IR, possuem uma performance superior a da caderneta. 

Entre outros fatores que devem ser avaliados, estão a rentabilidade líquida de outras opções. Nesse artigo, você vai aprender como realizar essa comparação de maneira eficaz. 

Além disso, descobrirá quais são os investimentos isentos de IR, para entender onde investir se quiser evitar os impostos. 

Hoje, você vai aprender mais sobre: 

  • Quais são  os Investimentos Isentos de IR
  • Seus investimentos devem ser declarados
  • O que avaliar antes de optar por investimentos isentos de IR?
  • Como comparar investimentos isentos de IR com os não isentos?
  • Invista de maneira inteligente e prática com a Warren
  • Conclusão

Boa leitura!

Quais são os Investimentos Isentos de IR

Descubra os investimentos isentos de IR, ilustração
Descubra aqui quais são os ativos que escapam da mordida do leão.

Em geral, essas são aplicações que o Governo entende que podem ajudar áreas prioritárias. Em especial aquelas que nem sempre contam com acesso fácil ao crédito, como os setores imobiliário e do agronegócio. 

No entanto, também existem outras opções de ativos isentos de IR. Confira: 

Letras de Crédito Imobiliário e do Agronegócio

Conhecidas como LCI e LCA, esses são títulos de dívida emitidos por instituições bancárias. Tratam-se de ativos da renda fixa. Isso é, o investidor empresta o dinheiro destinado ao desenvolvimento do setor. Na data de vencimento, recebe de volta o valor aplicado, acrescido de juros. 

A isenção de imposto se dá porque o Governo busca incentivar investidores a aplicar nos setores. Vale ficar atento às notícias sobre o assunto nos próximos meses, no entanto. Isso porque o Ministério da Fazenda tem estudado a introdução de impostos nesses ativos.

Certificados de Recebíveis Imobiliários e do Agronegócio

Esses são conhecidos como CRI e CRA. Tratam-se de opções mais adequadas ao longo prazo, muito parecidas com as letras de crédito. 

A principal diferença está no emissor: enquanto as letras de crédito são emitidas por bancos, os certificados de recebíveis ficam por conta de securitizadoras. Isso é, empresas que transformam créditos em papéis de dívida, à pedido das empresas. 

Debêntures Incentivadas

Debêntures é o nome dado para os títulos de dívidas de empresas do setor privado. 

Se uma empresa precisa de verba para, por exemplo, expandir sua infraestrutura ou lançar um novo produto, ela tem algumas opções: pode pedir um empréstimo ao banco, emitir ações ou debêntures. Nesse caso, a empresa está pedindo dinheiro para quem estiver disposto a emprestar. Em troca, paga juros atrativos.

Por sua vez, debêntures incentivadas tratam-se de títulos emitidos por empresas cujo setor o Governo quer incentivar. É daí que vem o nome.  

Renda dos Fundos Imobiliários

Como já mencionamos, o desenvolvimento do setor imobiliário é incentivado pelo Governo através da isenção do Imposto de Renda. Assim, os fundos imobiliários também se beneficiam. 

Esse é um tipo de investimentos mais sujeito a oscilações. Portanto, é recomendado para quem tem certa tolerância ao risco da renda variável. 

Nesses fundos, a gestora investe em papéis lastreados ou imóveis físicos. A rentabilidade, na prática, se dá com a venda ou aluguel dos imóveis em questão. 

Essa é uma excelente opção para quem gostaria de viver de aluguel, mas não quer a dor de cabeça da manutenção, reforma e burocracia de possuir um imóvel. Além da conveniência, as cotas de fundo são mais fáceis de vender caso você precise reaver o investimento.

Para a isenção de IR dos rendimentos mensais, no entanto, é preciso enquadrar-se em algumas regras. O fundo deve ser negociado na bolsa de valores e contar com, no mínimo, 50 cotistas. Além disso, você não pode ter em seu nome mais de 10% do patrimônio do fundo. 

Venda de Ações até R$ 20 mil por mês

Você sabia que os lucros com vendas de ações também podem ser investimentos isentos de IR? Isso é, se o valor total das suas operações mensais não ultrapassar R$ 20 mil. 

A declaração das operações na bolsa, vale lembrar, deve ser feita de maneira completa, independente do valor ultrapassar ou não o limite. 

Dividendos

Os dividendos são lucros provenientes de ações que não estão associados à venda dos títulos. Isso é, a empresa da qual você comprou a ação tem lucros e distribui dividendos a todos os acionistas. 

A maioria das empresas listadas na B3 distribuem pelo menos 25% do lucro aos acionistas na forma de dividendos. 

Você deve estar se perguntando porque esse é um rendimento isento de IR. Bem, é porque o imposto já foi pago sobre esse lucro, pela empresa em questão. Os dividendos são pagos do lucro líquido, significando que o investidor não precisa contribuir para o IR. 

Seus investimentos devem ser declarados

Investimentos isentos de IR precisam ser declarados, ilustração
Mesmo os investimentos isentos de IR precisam constar na declaração.

Agora você já conhece diversas opções de investimentos isentos de IR. Mas fique atento! Isso não significa que você não precisa declará-los. 

Para isso, é importante solicitar o seu informe de rendimentos para todos os bancos e corretoras nos quais você possui conta. Nesse documento, constarão todos os seus investimentos, separados em dois grupos: aplicações isentas de Imposto e sujeitas à tributação. 

No programa de declaração do Imposto de Renda, você também encontrará essas classificações. Dessa forma, fica fácil saber como preencher a declaração corretamente. 

O que avaliar antes de optar por investimentos isentos de IR?

Como mencionamos no início desse artigo, a isenção do IR não é o único fator que você deve avaliar ao montar sua carteira. É claro, esse sempre é um ponto positivo. No entanto, sozinha, a isenção não torna um investimento a escolha perfeita. 

O exemplo que usamos, da poupança, deixa claro o motivo. Mesmo com isenção, existem opções que oferecem rentabilidade maior. E não é só uma questão de quanto seu investimento vai render. Existem outros fatores para levar em conta, como você verá a seguir. 

Considere seu perfil e objetivos

O melhor investimento é aquele que atende às suas necessidades. Todo ativo terá pontos positivos e negativos. O que define a oportunidade perfeita é a adequação do investimento aos seus planos. 

Todo investidor é único, com objetivos diferentes. Por isso, é importante considerar seu perfil de investidor, suas metas e até mesmo seu nível de experiência com o mercado. 

Por exemplo, a venda de ações e recebimento de dividendos podem oferecer ótimas oportunidades de lucro. No entanto, as oscilações do mercado afetam esses ativos profundamente. Esses, então, não são investimentos ideais para os mais conservadores, ou quem está montando uma reserva. 

Diversifique sua carteira

A diversificação é a chave para diminuir riscos e potencializar seus rendimentos. Isso não significa investir com diferentes emissores, mas contar com diversos tipos de ativos. Não limite sua carteira a apenas uma categoria. 

Como comparar investimentos isentos de IR com os não isentos?

Então, você já sabe: algumas vezes, a isenção do IR sozinha não é o suficiente para tornar um ativo sua melhor opção. Mas como comparar os investimentos isentos de IR com os tributáveis? 

Para isso, você precisa descobrir o rendimento real de cada uma das opções. Nessa comparação, você vai levar em conta o retorno líquido de ambas aplicações. Isso é, o lucro total depois da dedução de taxas e impostos. Veja como calcular: 

Calculando o Retorno Líquido

O retorno líquido é o dinheiro que será efetivamente recebido por você, após todas as taxas, impostos ou outros descontos. Esse é um cálculo muito simples: basta aplicar a redução apropriada à rentabilidade bruta. Entenda melhor: 

Por exemplo, imagine um investimento da renda fixa com rentabilidade de 10% ao ano. Considere que você realizou uma aplicação de R$ 50 mil. Ao final de um ano, seu rendimento bruto será de R$ 5 mil. 

Retorno Bruto = 50.000 * 0,10 = 5.000

Agora, você precisa aplicar a esse valor todas as deduções aplicáveis. Para esse exemplo, vamos assumir o Imposto de Renda incidente seja de 20%. Esses valores são calculados com base na rentabilidade bruta, e não no total investido.  Assim, temos: 

Imposto de Renda = 5.000 * 20% = 1.000

Finalmente, você pode calcular o retorno líquido: 

Retorno Líquido = 5.000 – 1.000 = 4.000

Vale destacar que o cálculo do retorno líquido deve também incluir outros gastos, como taxa de corretagem, por exemplo.

Invista de maneira inteligente com a Warren

Investir não precisa ser uma tarefa complicada, seja em ativos tributáveis ou nos investimentos isentos de IR. A Warren acredita que o mercado financeiro pode, e deve, ser mais simples e acessível para todos. 

Por isso, não precisa ser especialista para investir conosco. Veja como é simples no passo a passo: 

  1. Clique aqui e abra sua conta gratuita na Warren. É rapidinho, e o processo é feito completamente pela internet. 
  2. Você receberá um e-mail confirmando seu cadastro e falando um pouco sobre seu perfil de investidor. Agora, é só fazer login na plataforma web ou no app da Warren
  3. Crie seu primeiro objetivo financeiro
  4. Ao escolher o objetivo, a Warren vai guiá-lo em cada etapa, fazendo algumas perguntas sobre suas metas e o quanto pode investir. 
  5. Com base no seu perfil e nas informações que você nos deu, vamos montar uma carteira personalizada, com as melhores opções de investimento para você

Tudo isso com uma taxa de gestão ativa que é 4 vezes menor que a média de mercado. E o melhor? Nos nossos produtos próprios, você não paga mais nada para investir: nada de taxas corretagem, custódia, administração e performance. Assim, os seus rendimentos são muito melhores, com ou sem isenção do IR. 

Saiba aqui como funciona

Conclusão

Os investimentos isentos de IR são chamativos, mas nem sempre significam retorno líquido maior. Aplicar nessas opções pode ser uma boa ideia, no entanto, é importante fazer as comparações para buscar as melhores oportunidades. 

Na Warren, encontramos elas para você! Nossos fundos de investimentos, além de taxa zero, contam com os melhores ativos do mercado. Independente do seu perfil, temos um fundo que irá se adequar perfeitamente às suas necessidades. 

Clique aqui e conheça melhor a gestão Warren

E então, já sabe em quais investimentos isentos de IR você pretende aplicar? Se ainda tem dúvidas, entre em contato com nossa equipe. Estamos disponíveis para ajudar no que for preciso! 

A educação financeira é o passo mais importante no seu caminho em direção aos seus objetivos. Então, que tal continuar sua leitura com um dos artigos do nosso blog? Confira: