Saiba como fugir dos maus investimentos


Dia 31 de outubro é popularmente conhecido, principalmente no hemisfério norte, como o Dia das Bruxas ou Halloween. No clima desta data, trazemos alguns tópicos importantes para você ficar atento e não acabar vivendo um filme de terror na sua jornada como investidor.

Dia das Bruxas ou Dia da Poupança?

Você sabia que hoje também é o Dia da Poupança? Em 1925, o Instituto Mundial de Bancos e Poupança completou um ano de fundação e criou esta data com o intuito de conscientizar as pessoas a importância de poupar e pensar no futuro. Até aí tudo bem. O problema é que o produto Poupança que existe hoje não é o mais adequado para investir pensando no futuro.

#1 Saia logo da poupança!

explicamos aqui antes, mas não custa reforçar: já há alguns anos, com a taxa básica de juros no Brasil em declínio, a Poupança se tornou um produto bastante ruim para quem quer investir.

Hoje, ela rende 70% da Selic, o que dá em torno de 0,29% ao mês. Além disso, no longo prazo, esta baixa rentabilidade combinada à inflação do país – que não é corrigida neste produto – fará seu dinheiro valer menos do que poderia em outro investimento..

LEIA MAIS | Como investir com a Selic em queda?

#2 Diga ‘NÃO’ ao Título de Capitalização (e a outros produtos horríveis também)

Bancos e outras corretoras costumam empurrar alguns produtos horríveis para cumprir metas de venda. Estes produtos podem ser fundos DI que chegam a ter taxas de administração de 4% ao ano e não performam bem, CDBs que pagam apenas entre 85% e 90% do CDI e os famosos Títulos de Capitalização.

Em primeiro lugar, Títulos de Capitalização não podem nem ser considerados um investimento, pois não possuem rentabilidade. Você compra um título e não pode resgatar o valor antes do prazo estipulado sem perder parte dele. O argumento para vender este produto? Sorteios mensais e correção monetária ao final do contrato.

Fique atento, pois estes produtos são bons apenas para a instituição que os está vendendo. Não para você e nem para o seu dinheiro.

Existem produtos de renda fixa e de renda variável muito melhores do que estes, com taxas justas e performance acima dos seus índices de referência. Continue lendo que você vai saber como investir neles!

LEIA MAIS | 4 passos para ser um investidor de sucesso

#3 Fique atento às taxas que está pagando!

Outra grande vilã do mercado financeiro é a cobrança de taxas abusivas. Além de cobrar taxas por praticamente qualquer operação, bancos e outras corretoras costumam cobrar por produto, o que acaba fazendo com que ofereçam a você estes produtos ruins que citamos acima apenas para cumprir meta. 

Já explicamos melhor como funciona o conflito de interesses destas instituições por aqui, mas vamos reforçar: pense como se o banco fosse uma loja de eletrodomésticos. Você pede para ver os modelos de televisão e o vendedor mostra apenas as marcas mais caras. Por quê? Porque ele recebe comissão e tem metas por venda de produtos. Quanto mais caro o aparelho, maior é a comissão.

Portanto, fique atento às taxas e busque por alinhamento.

A Warren não trabalha com conflito de interesse, pois cobra pela gestão e não pelos produtos que você investe. É cobrada uma taxa única de gestão de 0,5% ao ano e todos os produtos da Warren possuem taxa zero. Além disso, quando você investe em produtos de terceiros, a Warren devolve a comissão que receberia por isso. 

Este modelo garante que, quando a Warren sugere uma alocação para seus investimentos, o único critério é oferecer as melhores opções para seu perfil e seus objetivos. E isso se chama alinhamento.

Além disso, os clientes da Warren têm, em sua área logada, acesso a duas informações que consideramos fundamentais: o rendimento diário de seus objetivos e sua economia em taxas ao investir com a Warren.

LEIA MAIS | Confira as novidades da Warren em 2019

#4 Saiba qual é o seu perfil de investidor antes de começar a investir!

O produto que é ótimo para você, pode não ser ótimo para o seu amigo, a sua irmã ou qualquer outra pessoa. E isso é super importante pois investir sem saber com certeza qual é o seu perfil de investidor é como jantar em um restaurante com pratos desconhecidos sem conhecer o seu próprio paladar. A chance de você fazer escolhas ruins e se arrepender é grande.

O perfil de investidor, também conhecido como suitability, é uma análise capaz de identificar quais são as suas características e tolerância a riscos quando o assunto é investimento

LEIA MAIS | Perfil de investidor: como saber o seu e a importância disso

Na Warren, o primeiro passo para investir é descobrir o seu perfil: você tem acesso a ele logo após realizar a abertura da sua conta. Depois, a plataforma irá sugerir os melhores produtos para o seu perfil e para você alcançar os seus objetivos.

Nós possuímos diversas opções da renda fixa, como o Fundo Warren de Crédito Privado, que tem como meta bater 120% do CDI e, no mês de setembro voou a 133%. E também ótimas opções em renda variável, como o nosso Fundo Warren de Ações Americanas, que está entre os 15 melhores desempenhos no 1º semestre de 2019.

Então, se o seu objetivo é aumentar a rentabilidade das suas operações, abra a sua conta agora mesmo.